O baralho de Tarô possui 78 cartas. 22 arcanos maiores e 56 menores. O número imenso de combinações possíveis dá conta de qualquer ineditismo. Gilson não entende nada de Tarô. Não sabe o que é um arcano nem o significado das cartas. Nem mesmo se acredita em oráculos. Mas topou o jogo porque era de graça.

Vendo os desenhos medievais nas cartas, imaginou como criaria seu baralho mágico. Teria a Fábrica, que digere gente e expele quinquilharias de marca. A Floresta, em chamas. O Vaidoso, que faz selfie sorridente enquanto pisa em alguém. Os Ossos, para gente faminta. O Miliciano, que mata preto pobre e ganha aplauso. O Homem de Bem, que mata, abusa, engana, trai, rouba e reza. O Moralista, que corrompe enquanto denuncia a corrupção. Figuras do presente que Gilson queria que fossem do passado. Das cartas do Tarô de verdade, quer saber do ano novo.

– Roda da Fortuna! – Anunciou a cartomante. – Sinal de mudanças súbitas. De inconstâncias e reviravoltas! – Nada excepcional para quem vive uma realidade que além de líquida, tornou-se volátil e venenosa.

– A Torre! Sinal de destruição, instabilidade e caos. Interessante! – Disse a cartomante quase num sussurro.

– Ah! A carta da Lua. Há ainda muita ilusão para que as coisas se definam. A ilusão traz incertezas e mobilizam as forças para caminhos sem saída.

Gilson não sabia bem se ela falava do país ou da vida dele. Talvez nem desse para separar um do outro. Ele faz parte daquela maioria que não tem conta em dólar em paraíso fiscal. Que depende de ter trabalho para comer e conquistar alguma dignidade. Que é vista como carne barata a ser comandada e devorada numa economia a serviço do enriquecimento de uns poucos e sem compromisso com a vida de muitos.

– O Carro. Esta carta fala do controle das emoções. É um desafio para você neste ano. Não pode se deixar levar pelas emoções. Menos ainda pelas ilusões! Com temperança, você vai conseguir superar os desafios.

Virou mais uma carta. – O Eremita. Olha o que eu disse! É o jogo se confirmando. Esta carta fala de introspecção. Da necessidade de você se retrair para fortalecer sua espiritualidade e controlar as ilusões e destemperos das emoções. São dificuldades, mas com oportunidades de crescimento espiritual.

– Olha! A Estrela! Esta carta fala de esperança. E junto do Oito de Pentáculos! Que maravilha! – Gilson não sabia se aquela alegria era por causa do significado das cartas ou pelo encanto da cartomante com o próprio talento.

– Há esperança! Busque conhecimento e nele encontrará a razão e a temperança que você precisará para superar os desafios de 2022. – Concluiu com ar de médico quando tem certeza do diagnóstico promissor.

Gilson terminou o jogo ainda descrente e meio confuso, mas esperançoso. Sabe que esperança é incerteza sobre um momento feliz. Que não se sustenta por fatos, prognóstico ou qualquer razão. Também sabe que esperança é o que sobrou na Caixa de Pandora quando dela todos os males ganharam o mundo. Jeito dos antigos gregos dizerem que ela nos ajuda a resistir às doenças, à raiva, à burrice e à insensatez que nos entristece.

Voltou para casa decidido a comemorar a virada com alegria. Pelo ano difícil vencido. Por estar vivo. Pelo desejo de viver em paz. Com a esperança de dias melhores para essa gente já tão cansada de viver de esperança.

Feliz 2022!

***
Os artigos representam a opinião dos autores e não necessariamente do Conselho Editorial do Terapia Política. 

Ilustração: Mihai Cauli

Clique aqui para ler outras crônicas do autor. 

Veja também o canal do autor no YouTube.